Ao longo de muitos anos da sua existência, para garantir a sobrevivência dos seus descendentes, os elefantes desenvolveram habilidades que dão evidências de que eles têm uma boa memória. Uma habilidade que se destaca é a capacidade da matriarca, ou seja, da fêmea mais velha, memorizar os locais onde tem alimento e água disponível, especialmente nos períodos de seca – lembrando que os elefantes são herbívoros, então o alimento deles também depende de água para estar disponível. Assim, ela sabe exatamente onde levar os membros do grupo, que tem cerca de 100 elefantes, sem colocar a vida de todos em risco.

Também existem histórias de pesquisadores que conviveram com um elefante específico por algum tempo, em um santuário por exemplo. E mesmo depois de muitos anos sem visitar, o elefante interagiu da mesma maneira nesse reencontro. Os elefantes vão acumulando e guardando esse conhecimento social, que permite que eles lembrem também de cheiro e vozes de indivíduos de outros grupos de elefantes que eles encontram nas rotas de migração

O estudo do cérebro dos elefantes mostra que eles têm o hipocampo bem desenvolvido e essa parte é justamente a responsável pela memória, o que confirma fisiologicamente que o elefante tem mesmo uma boa memória.

Resposta da bióloga Rachel Azzari.